Católicos celebram Dia da Unidade e Sacerdócio de Dom Edney

31/08/2015 13:19:08
Compartilhar
Milhares de católicos se reuniram em Conselheiro Paulino

Promover a unidade entre os fiéis da Diocese de Nova Friburgo. Com este objetivo, milhares de pessoas dos três Vicariatos que compõem o território diocesano participaram da 38ª Edição do Dia da Unidade Diocesana. Na ocasião, também foi celebrado o 28º Aniversário Sacerdotal do Bispo, Dom Edney Gouvêa Mattoso. O evento foi organizado pela Paróquia de Santa Teresinha, no Campo do Pastão, em Conselheiro Paulino, e teve como tema “Eucaristia e Missão”.

Para iniciar as atividades, café da manhã, animação, terço vivo e Palavra e Discurso de Abertura com o Bispo e com o Pároco, Pe. Alex Paiva. O terço vivo foi organizado pela Catequese da Paróquia.

Logo após, o cantor Márcio Pacheco realizou um show de evangelização e uma pregação, momento em que abordou a importância do amor de Deus em nossas vidas e de amarmos o nosso próximo.

– Quando temos coragem de abraçar a sujeira dos que estão ao nosso lado, a Eucaristia se revela. Quando eu venho à Igreja, me ajoelho para receber Jesus na Eucaristia e Ele me acompanha para que eu não abandone o meu pai no vício, minha mãe na depressão, meu filho nas drogas, para que eu possa mesmo que doa muito, mostrar para eles que o Jesus que eu comunguei não me deu só palavras bonitas para rezar, mas mudou a minha vida para que eu possa ter coragem de abraçar a sujeira dos que não conhecem a Jesus, refletiu Márcio Pacheco.

Na parte da tarde, os seminaristas do Seminário Diocesano da Imaculada Conceição, em Nova Friburgo, fizeram um momento de Testemunho Vocacional, seguido de animação e teatro. Encerrando a programação, a Santa Missa também foi de Ação de Graças pelo 28º Aniversário Sacerdotal de Dom Edney. A Eucaristia foi concelebrada pelos Sacerdotes Diocesanos e Religiosos. Diáconos Permanentes também marcaram presença.

Logo no início, o Vigário Geral, Pe. Marcus Vinicius Macedo, deixou uma mensagem ao Bispo. “Dom Edney, em nome do Clero e deste amado povo de Deus, gostaria de oficialmente apresentá-lo com muito afeto o nosso orgulho pelos vossos 28 anos de Sacerdócio. Agradecemos a Deus pelo dom de vossa fidelidade.”
– Gostaria de manifestar a minha Ação de Graças por esses 28 anos de Sacerdócio que aprouve a Deus dar-me de presente uma Diocese tão rica, bonita e cheia de desafios. Celebrar este momento no Dia da Unidade Diocesana não poderia ser presente maior. Ter diante dos olhos uma ponderável parcela do povo de Deus que constitui esta imensa Diocese é verdadeiramente um grande presente, falou o Prelado.

Durante a homilia, o Bispo explicou e refletiu as leituras do dia, começando pelo livro do Deuteronômio que abordava a fala de Moisés ao povo: “Agora, Israel, ouve as leis e os decretos que eu vos ensino a cumprir, para que, fazendo-o, vivais e entreis na posse da terra prometida pelo Senhor Deus de vossos pais” (Dt 4,1).

– A lei existe não para privilegiar alguns em detrimento de outros, essas leis seriam injustas e até iníquas. A lei existe para garantir o direito à liberdade e os deveres de todos, não de alguns, mas de todos. E continuou o Bispo.

– No Evangelho que acabamos de ouvir, vemos Jesus fazendo uma severa repreensão àqueles que ao invés de cumprir a lei de Deus se apegavam a tradições meramente humanas, que foram inventadas como forma de burlar a própria lei. É interessante como o ser humano não muda, acabamos encontrando sempre um subterfúgio, uma maneira meio que colateral para deixar de fazer aquilo que é verdadeiramente essencial. E neste ponto Nosso Senhor não poupa palavras, chamando inclusive aqueles que eram seus interlocutores de hipócritas, pois se apegavam a preceitos meramente humanos para com isso não cumprir a lei de Deus.

Abordando a Segunda Leitura da Carta de São Tiago, na qual está escrito: “Todo dom precioso e toda dádiva perfeita vêm do alto; descem do Pai das luzes, no qual não há mudança nem sombra de variação. De livre vontade ele nos gerou, pela Palavra da verdade” (Tg 1,17-18), disse Dom Edney:
– É esta Palavra da Verdade que nos liberta de tantas amarras impostas por nós mesmos, isso que é mais dramático. A maioria das coisas que nos faz sofrer somos nós que nos impomos, pois resistimos em fazer a vontade de Deus que coincide com a nossa realização e com a nossa felicidade. Fazer a vontade do Pai significa ir ao encontro da felicidade não pelas nossas vias egoístas, mas pelo caminho do amor, da caridade que realiza e plenifica o ser humano, disse o Prelado.

Texto: Monara Teixeira / Fotos: Grasiele Guimarães

Compartilhar