Crime do Cônego: Tabelião era “ciumento e manipulador”, diz cunhada

12/09/2021 08:55:33
Compartilhar
Saliha e amigos na cerimônia de cremação de Tom da Farmácia (foto: RJTV)

ELE MATOU A ESPOSA GRÁVIDA E AINDA O SOGRO E A SOGRA


O tabelião Ricardo Jucá Vasconcelos assassinou a tiros a esposa grávida Nahaty Gomes de Mello e os sogros Rosemary Gomes de Mello e Wellington Braga de Mello. Neste sábado, 11/9, foi realizada a cerimônia de cremação do sogro, conhecido carinhosamente como Tom da Farmácia, que morreu em 1/9, após ficar vários dias hospitalizado. Mãe e filha também já haviam sido cremadas, como era desejo delas.


Na ocasião da cremação do pai, a médica Saliha Gomes de Mello – irmã de Nahaty e filha do casal assassinado – conversou com a imprensa:


“Surto? Porque é tabelião? Porque se fosse da favela seria ciúmes. Surto é conforme o cargo da pessoa? Não, pra mim isso não é surto. Aí a pessoa surta, chega com uma frieza na delegacia e diz: ah, eu tive um surto. Pelo amor de Deus”, desabafou Saliha em depoimento ao RJTV 2, da Tv Globo.

Tom da Farmácia, Rosemary e Nahaty: vítimas do tabelião


A médica acrescentou que o tabelião era muito ciumento e manipulador, sendo que, na semana do crime, apresentava comportamento “agressivo”. Saliha chegou a alertar a irmã pedindo que ela escondesse a arma adquirida pelo tabelião.


“Minha última conversa, na sexta-feira, com a Nahaty foi: você escondeu a arma do Ricardo? E ela disse: escondi. O resultado foi o que vocês já sabem”, contou Saliha, repetindo um trecho da conversa que teve com a irmã no dia do crime (13 de agosto).

O tabelião está preso em Bangu 8


Ainda segundo Saliha, Ricardo tinha comprado uma pistola recentemente e, no dia dos pais, chegou a exibir para a família o documento que permitia a posse da arma.


O tabelião foi preso em flagrante e, a caminho da delegacia, alegou para a polícia que havia tido um surto psicótico – versão que a cunhada contesta veementemente.


Ricardo Jucá Vasconcelos está no presídio de Bangu 8, no Rio.

Compartilhar