EUA confirma primeiro caso de ebola

12/10/2014 21:12:48
Compartilhar
Casa de enfermeira é isolada após exame confirmar ebola

Uma funcionária de um hospital do Texas contraiu ebola depois de prestar assistência a um liberiano que morreu da doença na semana passada. O caso aumenta as preocupações sobre como procedimentos médicos destinados a impedir a propagação da doença foram violados.

A mulher infectada, cuja identidade não foi revelada, é a primeira pessoa a contrair a doença nos EUA. Autoridades de saúde disseram que a funcionária do Texas Health Presbyterian Hospital estava usando equipamento de proteção ao tratar de Thomas Eric Duncan.

“Nós não sabemos o que ocorreu no cuidado do paciente original em Dallas, mas em algum momento houve uma quebra no protocolo, e essa violação de protocolo resultou nesta infecção”, disse o diretor do CDC Dr. Thomas Frieden em entrevista coletiva. “Estamos avaliando outras exposições potenciais de trabalhadores de saúde, porque se essa pessoa foi exposta, é possível que outros indivíduos foram expostos”, disse ele.

A funcionária estava em contato próximo com Duncan e testes realizados pelo CDC confirmaram que a paciente foi infectada pelo ebola. “Infelizmente, é possível que nos próximos dias venhamos a ver novos casos de Ebola”, disse ele.

Frieden disse que uma pessoa pode ter tido contato com a profissional de saúde infectada quando podia ser possível transmitir a doença, e que a pessoa está sendo monitorada. Frieden disse que a intubação de Duncan e o uso de uma máquina de diálise – medidas tomadas ao tentar salvar sua vida – são procedimentos de alto risco para a transmissão do vírus.

Duncan morreu em uma ala de isolamento em 8 de outubro, 11 dias depois de ser admitido. Mais de 50 pessoas trataram do seu caso. O hospital disse que estava descontaminando a unidade de isolamento enquanto as autoridades de saúde disseram que o corpo de Duncan tinha sido cremado.

O surto na África Ocidental, o pior já registrado de ebola, matou mais de 4 mil pessoas, a maioria na Libéria, Serra Leoa e Guiné. O novo caso no Texas indicou um lapso profissional que pode ter causado a infecção de outros profissionais de saúde no hospital, disse o diretor dos CDCs (Centros de Controle e Prevenção de Doenças).

Compartilhar