Friburgo tem protesto contra intervenção na Clínica Santa Lúcia

18/05/2021 09:50:46
Compartilhar
Manifestação pacífica na Câmara (foto: WILLIAN MAIA)

Funcionários e familiares de pacientes do Santa Lúcia participam na manhã desta terça-feira, 18/5 de manifestação pacífica em frente ao prédio da Câmara de Vereadores de Nova Friburgo. O protesto é contra a intervenção na clínica de repouso de Mury decretada pelo prefeito Johnny Maycon (Republicanos), ocorrida na última sexta-feira, 14/5.

No plenário, vereadores debatem a intervenção. Os vereadores Carlinhos do Kiko, Maicon Queiroz e Priscilla Pitta apresentaram proposta para derrubar a intervenção, através de decreto legislativo.

MATÉRIA EM ATUALIZADA – Leia https://www.novafriburgoemfoco.com.br/noticia/friburgo-camara-derruba-intervencao-do-prefei

INTERVENÇÃO NA CLÍNICA SANTA LÚCIA

O governo Johnny Maycon, após publicação de decreto municipal 995/2021, nesta sexta-feira, 14/5, fez intervenção e posterior desinstitucionalização da Clínica de Repouso Santa Lúcia, no distrito de Mury. Ou seja, com o ato jurídico “a unidade passará a ser administrada pelo governo municipal”. A clínica atende atualmente a 140 pacientes.

Segundo matéria publicada pela Prefeitura, os atos “atendem uma recomendação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), que vinha sendo ignorada por governos anteriores”.

“O Ministério Público já se manifestou inúmeras vezes dizendo que o ambiente (na Clínica de Repouso Santa Lúcia) é insalubre, que os pacientes não estão recebendo o tratamento apropriado, e recomenda que o município de Nova Friburgo faça a intervenção. Em algum momento a Prefeitura teria que assumir essa responsabilidade”, disse o prefeito Johnny Maycon, na matéria oficial da Prefeitura distribuída à imprensa.

A defesa da clínica se manifestou pelas redes sociais e disse que ninguém viu o documento do MP e considera a intervenção com base em decreto de executivo “uma maldade, perseguição pessoal e política”. A defesa dacrescentou que existe uma ação civil pública em curso e que, até agora, não foi provada nenhuma irregularidade.



Compartilhar