Há 30 anos Friburgo teve 1ª cirurgia por videolaparoscopia do Estado

19/02/2021 21:16:12
Compartilhar
O médico José Antônio Verbicário Carim: pioneirismo

PIONEIRO NA TÉCNICA, DR. CARIM FORMOU MILHARES DE MÉDICOS BRASIL AFORA

“Muita gente nem percebe que a vida é um aprendizado constante e uma estreia permanente”, diz o médico José Antônio Verbicário Carim, ao recordar a primeira cirurgia por ele realizada através da videolaparoscopia, no dia 20 de fevereiro de 1991, na então denominada Casa de Saúde São Lucas. Exatamente há 30 anos, Carim marcava em Nova Friburgo um novo e revolucionário tempo na prática da medicina. E se hoje o município pode contar com uma gama de bons profissionais na área, muito se deve ao médico nascido em Visconde de Imbé, que escolheu a cidade para morar e desenvolver seu trabalho.

Pioneiro no Estado do Rio e um dos principais profissionais do Brasil na aclamada técnica, Carim, na época, levou mais de duas horas para retirar a vesícula de uma paciente, o que, mais tarde, com a prática e experiência perfeitas, conseguiria realizar em 20 minutos. Em sua primeira vez fazendo uma colecistectomia por videolaparoscopia foi auxiliado pelos médicos Antônio Luz e Ricardo Alves, tendo como anestesista Alzeir Campanatti e Luciene como instrumentadora. Não pense, no entanto, que foi fácil. Seus colegas médicos simplesmente não levavam fé, como se dependesse de crença, e não de muito estudo e pesquisa, a evolução tecnológica na Saúde.

“Eles não tinham o menor interesse no que eu estava realizando, simplesmente não acreditavam na técnica. Apesar da satisfação em realizar na pequena Nova Friburgo algo absolutamente inovador e tecnológico, que aliviava em muito o sofrimento dos pacientes, me senti isolado e solitário diante da quase que total indiferença e descrença dos meus colegas. Fora a dificuldade com o próprio equipamento, no qual investi, na época, milhares de dólares. Foram tempos bem difíceis para mim, mas jamais me dei por vencido”, relata Carim em sua elogiada autobiografia, intitulada “Nunca quis ser os outros – Histórias e memórias de um médico de alma inquieta e mente aberta”. O livro foi escrito por ele há três anos e já rodou o mundo pelas mãos dos muitos amigos que fez ao longo da carreira.

Ciente de que as dificuldades são para serem vencidas, e não o contrário, doutor Carim dedicou sua vida não só ao aprimoramento da técnica, mas também à divulgação da videolaparoscopia e à partilha de todo o conhecimento adquirido em suas incontáveis viagens ao exterior, onde participava, ora como aluno, ora como professor, em congressos mundo afora. Foi assim que deu início aos cursos, no final de 1991, e formou quase três mil alunos ao longo de 25 anos, tanto em Nova Friburgo como em cidades do Brasil e da América do Sul, a exemplo de Peru, Paraguai, Bolívia e Angola.

“Nunca tive dúvidas quanto à videolaparoscopia: o procedimento era mesmo uma excelente novidade, que viera para ficar. E pensar que chegaram a dizer que era espiritismo o que eu fazia. Logo eu, nada esotérico”, diverte-se hoje o doutor Carim, do alto de seus 79 anos muito bem vividos, e a quem Nova Friburgo só tem a agradecer.

Compartilhar